De 07 a 09 de Dezembro

Conferencia online gratuita

Treinamentos corporativos na prática — Tendências 2022

image/svg+xml image/svg+xml image/svg+xmlimage/svg+xmlimage/svg+xml Cultura de aprendizagem | iSpringCultura de aprendizagem | iSpringCultura de aprendizagem | iSpringCultura de aprendizagem | iSpringCultura de aprendizagem | iSpringCultura de aprendizagem | iSpringCultura de aprendizagem | iSpringCultura de aprendizagem | iSpring

Muito se fala sobre as formas de estimular, engajar, motivar e reter grandes talentos e que tudo isso passa, necessariamente, pela implantação da cultura de aprendizagem na empresa. Alguns empreendedores podem alegar que já implementaram a cultura organizacional e que ela está toda lá no quadro de Missão, Visão e Valores!

O que eles não sabem é que isso é apenas o pano de fundo para oferecer crescimento e desenvolvimento profissional e pessoal para os colaboradores. Essa cultura vai além do processo educativo técnico ou corporativo, ela transforma posturas e impulsiona a quebra de paradigmas, com objetivo de colocar gestores e colaboradores no caminho do propósito da empresa.

O que é cultura de aprendizagem?

Essa pergunta pode ter várias respostas, pois os conceitos podem ser ampliados conforme os contextos e situações.

Enquanto a cultura organizacional pode ser entendida como o conjunto de valores, atitudes e comportamentos que movem uma empresa; a cultura de aprendizagem tem um significado mais objetivo: é um conjunto de ações que valorizam a aquisição de conhecimento, de forma constante e sistemática.

Por isso, dizemos que a cultura organizacional é o “pano de fundo” que possibilita a criação de ferramentas – cursos online, workshops, webinars, podcasts – para o desenvolvimento de todos na empresa.

E isso é essencial, uma vez que as empresas contratam e convivem com profissionais de diferentes gerações – Baby Boomers, X, Millenials (Y), e, em breve, a Centennial (Z), e cada uma com seus comportamentos e diferentes graus de exigências.

Uma fábula esclarecedora

Com todas as transformações que foram exigidas nos últimos anos, ainda há aqueles colaboradores e empresários que insistem na antiga frase, “sempre fizemos assim, mudar para quê?”

Uma pequena fábula ilustra muito bem a necessidade de uma cultura voltada para o desenvolvimento das pessoas e que estimule a busca de soluções e inovações, provocando assim a quebra de paradigmas.

A fábula é assim:

“Um laboratório começou um experimento e cinco macacos foram colocados em uma grande jaula. No meio dela, havia uma escada. Em cima da escada, havia um cacho de bananas. Cada vez que um macaco tentava subir para pegar as bananas, um jato de água gelado era jogado nos macacos que estavam no chão.

Após certo tempo, sempre que um dos primatas tomava a iniciativa de subir na escada, os demais o agrediam. Depois de várias repetições, apesar da tentação, todos eles pararam de tentar pegar as bananas.

Passado um tempo, um dos macacos foi substituído. Ao ser colocado na cela, o novato se dirigiu imediatamente à escada, ocasião em que foi impedido com agressões pelos demais. Algumas tentativas e muitas pancadas depois, ele também passou a ignorar as bananas.

Um segundo substituto foi colocado na jaula e o mesmo ocorreu, também com a participação do que havia entrado antes, que participou com muita disposição do ataque ao segundo novato.

Um por um, todos os macacos foram substituídos, até que chegou o momento em que nenhum deles havia tomado um banho gelado sequer. Apesar disso, o hábito de bater nos novatos que tentavam pegar as bananas permanecia inalterado.”

Com isso, podemos imaginar que se fosse possível questionar os animais sobre o motivo de eles baterem naqueles que tentavam subir a escada, provavelmente a resposta seria: “não sei, mas por aqui as coisas sempre funcionaram dessa forma”.

Essa fábula é bastante conhecida, chegando a ser um paradigma dentro de outro, uma vez que não existem provas sobre a existência real desse experimento ou se o comportamento desses primatas foi exatamente como o descrito.

Realidade ou ficção, a fábula alerta para a falta de senso crítico, de questionamentos e tudo isso está diretamente ligado à cultura de aprendizagem de uma empresa.

Os benefícios da cultura de aprendizagem

Uma empresa que desenvolve e estimula o aprendizado de seus colaboradores obtém, em médio prazo, uma série de benefícios, com influência positiva em todos os resultados e no clima organizacional.

Entre as principais, estão:

Os benefícios da cultura de aprendizagem

7 dicas para implantar a cultura de aprendizagem na sua empresa

A seguir, vamos deixar algumas dicas valiosas para implantar na empresa uma cultura de aprendizagem que seja sólida e proporcione bons resultados:

1. Gestão de conhecimento: a gestão de conhecimento consiste em práticas adotadas para facilitar a aquisição, transferência e internalização de conhecimentos para e entre os colaboradores;

2. Comunicação em todas as direções: a comunicação precisa ser fluida e alcançar os públicos internos e externos de uma empresa. Desta forma, a comunicação passa a ser estratégica e envolvendo colaboradores, consumidores, fornecedores e toda a comunidade;

3. Conhecimento além do cargo: uma cultura de aprendizagem deve ser a mais ampla possível, permitindo o colaborador aprender e adquirir competências para além do cargo que exerce. Ao criar novos desafios, é possível identificar os mais motivados e que buscam carreiras múltiplas. Estruturar um plano de carreiras e promover o recrutamento interno são ações complementares;

4. Metas de aprendizado: esse é um comportamento comum em startups, que desde a contratação cria desafio e comprometimento nos colaboradores, pois, ao serem admitidos, sabem que terão que cumprir uma carga horária anual de aprendizados. Contratar pessoas com vontade de aprender é uma grande vantagem, porque estas estão dispostas a buscar conhecimento por conta própria e, invariavelmente, compartilham com os demais;

5. Programas de mentoria: mentoria é uma forma de capacitar os colaboradores, por meio das lições aprendidas com um colaborador mais experiente. Desta forma, mais do que qualificação técnica, é possível aprender também habilidades comportamentais e o uso da inteligência emocional. Muitos colaboradores passam a ser multiplicadores internos, oferecendo capacitação aos colegas e compartilhando seus conhecimentos. Os líderes e gestores também podem compartilhar ensinamentos com suas equipes;

6. Atenção aos feedbacks: uma empresa com uma cultura de aprendizagem sabe da importância de oferecer feedbacks aos colaboradores. Ao obter retorno de suas atividades e resoluções, os colaboradores sentem segurança para buscar ainda mais o aprimoramento pessoal;

7. Universidade corporativa: com a cultura implantada é hora de ter uma estrutura de desenvolvimento e treinamento profissionalizada, para a criação de trilhas de aprendizagem, cursos, webinars, podcasts, palestras e eventos online. A iSpring oferece aos seus clientes uma plataforma completa para e-learning. O iSpring Suite Max é uma ferramenta baseada no PowerPoint que possibilita a criação de cursos, utilizando vídeos, legendas, áudios e uma enorme biblioteca de templates, cenários e personagens, para deixar o curso mais atrativo e dinâmico. E ainda, os usuários podem acessar utilizando diferentes equipamentos, como smartphones, TV, tablete, desktop e ainda mais, de onde estiverem.

iSpring Suite Max

Após concluir a implementação dos conceitos, é hora de possibilitar aos gestores e colaboradores que coloquem em prática o aprendizado que estão adquirindo. E, a melhor forma é institucionalizando o compartilhamento de conhecimentos, pois isso desperta o interesse de todos e evita que um profissional fique para trás, em relação ao desenvolvimento dos demais e, com isso, todos ganham.

 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

iSpring Suite
Ferramenta
de autoria
de e-learning
Saber mais
 

Comece a criar cursos online de forma rápida e fácil