image/svg+xml image/svg+xml image/svg+xmlimage/svg+xmlimage/svg+xml Design Instrucional: Tudo o Que Você Precisa SaberDesign Instrucional: Tudo o Que Você Precisa SaberDesign Instrucional: Tudo o Que Você Precisa SaberDesign Instrucional: Tudo o Que Você Precisa SaberDesign Instrucional: Tudo o Que Você Precisa SaberDesign Instrucional: Tudo o Que Você Precisa SaberDesign Instrucional: Tudo o Que Você Precisa SaberDesign Instrucional: Tudo o Que Você Precisa Saber

Não importa se você explorando planos de carreira, desenvolvendo um programa de treinamento ou simplesmente interessado no conceito de design instrucional, continue lendo. Neste artigo, vamos explicar em termos simples exatamente o que o design instrucional envolve.

O que é design instrucional?

Design instrucional é o processo de “arquitetar” experiências de aprendizagem e não deve ser confundido com ensino. Embora haja sobreposição considerável, o design instrucional ocorre em várias etapas antes de ocorrer qualquer ensino real.

O objetivo do design instrucional é determinar a maneira mais agradável e digerível de servir o conteúdo educativo. É a ciência de criar experiências de aprendizagem eficazes e envolventes – a ciência de como as pessoas aprendem.

Consequentemente, a capacidade de avaliar as atitudes do público-alvo, as lacunas no conhecimento e os objetivos de aprendizagem são fundamentais para este campo. A fim de atingir esses objetivos, os designers instrucionais englobam um vasto repertório de funções e responsabilidades, incluindo, mas longe de se limitarem a:

  • Trabalhar junto com especialistas no assunto para avaliar e definir as necessidades de treinamento do público-alvo.
  • Definir objetivos de aprendizagem claros e viáveis e produzir conteúdo atraente que se alinhe a eles.
  • Conceituar gráficos instrucionais, multimídia, a interface do usuário e o produto final.
  • Analisar e aplicar princípios, tendências e melhores práticas associadas ao design instrucional e tecnologias de aprendizagem.
  • Desenvolver exercícios, tarefas, e avaliações para maximizar o potencial de aprendizagem dos alunos.
  • Desenvolver materiais de apoio e recursos que incorporam multimídia em vários formatos (ex. áudio, vídeo, screencasts, gamificação, cenários, simulação).
  • Elaborar diferentes métodos de avaliação, incluindo questionários, testes e pesquisas, para avaliar a eficácia do curso.

Design instrucional e a psicologia do comportamento de aprendizagem

O mundo do design instrucional está intimamente ligado à psicologia do comportamento de aprendizagem. O design instrucional fornece estruturas conceituais para determinar não apenas o que ensinar, mas como ensinar a um público específico. Os seres humanos são incrivelmente complexos e diversos. Portanto, no que se refere à aprendizagem, não existe uma solução única para todos. Isso cria um desafio muito fascinante para o design instrucional. Como você pode criar um curso, currículo ou programa de treinamento que atenda efetivamente aos estilos de aprendizado exclusivos dentro de um público em particular?

Para isso, o design instrucional aproveita a psicologia por trás da forma como as pessoas retêm e absorvem a informação. Aqueles que estão bem estabelecidos no campo são especialistas em determinar quais conhecimentos e habilidades o público precisa, quais conhecimentos e habilidades eles possuem atualmente, e em encontrar o método mais persuasivo para fechar essas lacunas de conhecimento. Depois de dominar essa arena, você pode aplicar e adaptar esses princípios psicológicos para públicos diferentes.

Por exemplo, designers instrucionais costumam se fazer perguntas como:

  • Este bloco de texto é melhor transmitido como um gráfico interativo?
  • É provável que meu público faça este curso em trânsito, enquanto usam seus dispositivos móveis?
  • Como posso dividir esta matéria-prima em módulos de microaprendizado para uma digestão mais rápida e fácil?

Para responder a essas perguntas, vamos ver qual é o modelo de design instrucional nas próximas seções e dar alguns exemplos.

O modelo ADDIE: uma estrutura para o processo de design instrucional

Você pode pensar nos modelos e teorias de design instrucional como psicologia aplicada – isto é, eles tornam os princípios abstratos e teóricos da psicologia comportamental concretos ao colocá-los em prática. Existem muitos modelos, teorias e estratégias de design instrucional, mas essencialmente todos eles empregam o modelo ADDIE, uma sigla que significa Análise, Design, Desenvolvimento, Implementação e Evaluation (avaliação). O modelo ADDIE é uma metodologia central de ID que o acompanha do início ao fim do processo do design instrucional.

O gráfico abaixo detalha o que cada elemento do modelo ADDIE implica.

Modelo ADDIE
AnáliseDurante o estágio de análise, você trabalhará com SMEs para determinar qual é o objetivo ou propósito de seu curso/programa e coletar informações sobre o ambiente de aprendizagem de seu público-alvo e dados demográficos, como idade, sexo, idioma principal, educação formal, profissão e cultura.
DesignO próximo passo envolve o desenvolvimento da estrutura geral do seu curso. Você precisará escrever objetivos de aprendizado específicos e acionáveis enquanto desenvolve um esboço geral e métodos instrucionais para o seu curso. Esta etapa pode incluir storyboarding.
DesenvolvimentoDepois de projetar ou planejar seu curso, então é simplesmente uma questão de produzir ou desenvolver os materiais. Você começa a escrever conteúdo, a procurar gráficos e multimídia, a criar vídeos, e construir avaliações com a ajuda de uma ferramenta de criação de e-learning padrão da indústria, como iSpring Presenter.
ImplementaçãoEntão você simplesmente entrega ou implementa o curso direto no sistema de gerenciamento de aprendizagem ou para o instrutor. Você pode até precisar treinar os instrutores sobre a melhor forma de trabalhar com os materiais.
AvaliaçãoMas você não terminou lá: depois que o curso for concluído pelos alunos, você precisa avaliar sua eficácia. Aqui, você precisa descobrir se os objetivos de treinamento foram atingidos e definir o que deve ser melhorado em um programa.

Outras teorias de design instrucional que precisam ser conhecidas

Tal como acontece com a psicologia, existem muitas escolas de pensamento dentro do mundo ID, e você terá que estudar e experimentar diferentes metodologias para ver qual funciona melhor em sua situação. Nesta seção, apresentaremos três dos modelos de design instrucional mais prevalentes:

  • Teoria do Aprendizado Adulto
  • Taxonomia de Bloom
  • Os Nove Eventos de Instrução de Gagné

A Teoria da Aprendizagem de Adultos propõe que as características pessoais, o contexto e a aplicação prática estão no centro das habilidades de aprendizagem de adultos. Ao contrário do público mais jovem, os alunos adultos não apenas têm uma ampla experiência da qual podem recorrer durante o treinamento, mas suas capacidades intelectuais são maiores. Dito isso, conforme os alunos adultos envelhecem, suas habilidades sensório-motoras diminuem. A Teoria de Aprendizagem de Adultos tem em conta todos esses fatores ao criar designs de aprendizagem instrucional eficazes ou cursos online. Ele enfatiza principalmente o aproveitamento do poder das experiências anteriores dos alunos para gerar um senso de controle pessoal e aplicabilidade.

A Taxonomia de Bloom constitui uma estrutura para o desenvolvimento de objetivos de aprendizagem. Conforme mencionado, você precisará criar metas de aprendizado que sejam acionáveis. Por exemplo, um objetivo de aprendizagem bem definido é “Os alunos serão capazes de fazer chamadas não solicitadas da maneira correta” e não “Os alunos conhecerão dicas e técnicas de chamadas não solicitadas.” No entanto, para projetar um curso com base em objetivos de aprendizagem específicos, você precisará compreender os diferentes níveis de aprendizagem cognitiva. Partindo do mais básico dos processos, a Taxonomia de Bloom afirma que você precisa lembrar, compreender, aplicar, analisar, avaliar e criar para que os objetivos de aprendizagem sejam efetivamente fixados.

Os Nove Eventos de Instrução de Gagné focam no processamento de informações que ocorre quando adultos são apresentados a estímulos instrucionais. Ele se concentra nos objetivos de aprendizagem e em como desenvolver com eficácia um programa de treinamento de uma forma que confirme esses objetivos com eficiência. Os nove eventos são:

  1. Ganhar atenção
  2. Fornecer objetivos de aprendizagem
  3. Estimular a recordação de conhecimentos prévios
  4. Apresentar o material
  5. Fornecer orientação para aprender
  6. Obter desempenho
  7. Fornecer feedback
  8. Avaliar desempenho
  9. Aumentar a retenção e transferência

Desafios que os designers instrucionais enfrentam

Embora o design instrucional seja um campo bem estabelecido, o domínio da aprendizagem e do desenvolvimento está em constante e rápida evolução. Nesta seção, descreveremos alguns desses desafios e proporemos métodos para enfrentá-los.

1. Assumindo várias funções

O papel do designer instrucional pode ser difícil de definir, pois muitas vezes o puxa para várias direções. Pense no modelo ADDIE. A fase de análise requer uma extensa pesquisa para identificar as lacunas de conhecimento dos alunos. Então, durante a fase de design, você terá que ser bem versado em teorias de aprendizagem para determinar a estrutura geral e o método de entrega do seu curso. O estágio de desenvolvimento envolve muita pesquisa, escrita, proficiência com ferramentas de criação de e-learning e habilidades de gerenciamento de projeto para garantir a conclusão de seus projetos a tempo. Além disso, ao desenvolver o curso, você pode precisar ter habilidades de design gráfico, produção de vídeo e, às vezes, até mesmo de codificação.

Superando este desafio

Muito raramente um designer instrucional terá todas essas habilidades desenvolvidas no mesmo alto nível. A melhor maneira de contornar esses problemas é conhecer seus pontos fortes e fracos. Dessa forma, você pode obter ajuda externa para qualquer coisa além do seu escopo de especialização. Por exemplo, Jane Bozarth, diretora de pesquisa do The eLearning Guild, acredita que agora é a hora de um designer instrucional pensar sobre como escolher uma área de especialização.

A linha entre, digamos, designer e desenvolvedor, e talvez até mesmo um produtor de multimídia, sempre foi meio confusa, mas agora existem coisas realmente específicas e detalhadas sobre as quais eles precisam aprender mais. Não é apenas uma função, é realmente uma decisão, você é uma pessoa de vídeo, você é uma pessoa de áudio, você é uma pessoa de multimídia? Eu acho que você precisa começar a olhar aonde você pode se especializar.

Jane Bozarth

Diretora de pesquisas da The eLearning Guild

No entanto, em alguns casos, escolher a ferramenta de criação de e-learning certa pode facilitar o trabalho de um designer instrucional para que eles não precisem procurar a ajuda de outro especialista. Por exemplo, iSpring Presenter pode ajudar a superar os obstáculos tecnológicos fazendo grande parte do trabalho pesado ao criar cursos de e-learning, questionários ou vídeos de treinamento.

2. Mudanças em rápida evolução na indústria

Conforme mencionado, o e-learning e, portanto, o design instrucional, é uma das indústrias de crescimento mais rápido no mundo. Novas tecnologias educacionais estão inundando o mercado em velocidades incomparáveis. Portanto, para ficar por dentro das tecnologias sempre emergentes, os designers instrucionais precisam aprender continuamente. Nunca foi tão desafiador estar à frente da curva.

Superando este desafio

De acordo com Joe Ganci, presidente da eLearningJoe, uma empresa de consultoria e treinamento em e-learning, para acompanhar a “próxima grande novidade”, os designers instrucionais precisam pesquisar regularmente novas tendências e produtos dentro da indústria e começar a se familiarizar com eles.

Designers instrucionais, como médicos e advogados, sempre precisam pesquisar, entender e praticar todas as novidades. Eles também precisam ver o que está acontecendo em outras áreas, porque muitas vezes o que fazemos na área de aprendizagem eventualmente é adotado de outras áreas. Realidade virtual e realidade aumentada, todas essas coisas estão acontecendo em muitos, muitos campos, certo?

Joe Ganci

Presidente do eLearningJoe

3. Criação de experiências centradas no aluno

Os princípios do design instrucional ditam que, para maximizar o potencial de aprendizagem do aluno, a instrução deve ser centrada no aluno. Ou seja, o método de entrega da instrução deve se concentrar no estilo de aprendizagem do aluno, conhecimento prévio e experiências pessoais. Portanto, o desafio é que não existe uma solução abrangente para fornecer instrução. Então, como criar cursos de forma eficaz que atendam às diferenças e experiências inerentes a todos os alunos?

Superando este desafio

A resposta envolve ganhar uma familiaridade íntima com seu público, principalmente durante a fase “A” do modelo ADDIE, onde você define seu público durante a avaliação das necessidades de treinamento (TNA). JD Dillon, Arquiteto-chefe de Aprendizagem da Axonify, confirma esta teoria:

Os Designers instrucionais têm de compreender melhor as pessoas que eles ajudam e o contexto em que trabalham todos os dias para fornecer soluções adequadas.

JD Dillon

Arquiteto Chefe de Aprendizagem na Axonify

Por exemplo, avaliar a idade de seu público, o nível de conhecimento tecnológico e se eles estão ou não aptos a fazer esses cursos em trânsito (ou seja, aprendizagem móvel) é fundamental para criar experiências centradas no aluno.

O futuro do design instrucional

A evolução do design instrucional já percorreu um longo caminho, pegando emprestado de campos separados, porém relacionados, como neurociência, cibernética, ciência da aprendizagem e design de experiência. No início, o principal objetivo do design instrucional era criar experiências de aprendizagem eficazes. Mas agora que dominamos essa ciência, o foco mudou para a criação de experiências de aprendizagem envolventes.

Aqui estão algumas direções que o design instrucional tomará no futuro:

Divisão do trabalho

Como mencionado, os designers instrucionais costumam ter várias funções. No entanto, isso diminui a qualidade de cada função. Porque todos nós temos nossos pontos fortes e fracos inerentes, é difícil dominar tudo de forma generalizada.

De acordo com Steve Foreman, chefe da empresa de consultoria de gestão InfoMedia Designs, para maximizar o nível de engajamento e qualidade de suas experiências de aprendizagem, o campo do design instrucional deve ser dividido em habilidades instrucionais (pesquisa, planejamento de curso e teoria da aprendizagem) e tecnológicas (codificação, ferramentas de criação de e-learning e produção de vídeo.

Pessoas com a função de tecnologia e pessoas com a função de instrução precisam trabalhar juntas, ao invés de uma pessoa ter todas essas habilidades. Portanto, eu acho que se trata de uma grande mudança.

Steve Foreman

Chefe da empresa de consultoria de gestão,
InfoMedia Designs

Criando experiências imersivas

Isso implica amplificar o aspecto da “experiência” das experiências de aprendizagem. Digamos que uma empresa de e-commerce deseja treinar seus funcionários de atendimento ao cliente em como lidar com clientes irritados / com entrega atrasada. Em vez de fazer com que os trainees memorizem um script, eles criam cenários/simulações de diálogo em que uma pessoa precisa responder com o melhor de suas habilidades.

David Patterson, consultor de e-learning e especialista em tecnologias de treinamento e melhores práticas, faz uma previsão sobre os vídeos de treinamento serem mais imersivos:

O vídeo interativo se tornará cada vez mais popular com os alunos movendo o vídeo a partir de pequenas explosões passivas de aprendizagem conduzida por apresentação para experiências de aprendizagem muito mais envolventes, muitas vezes com a ajuda de VR baseada em câmera 360.

David Patterson

Diretor da Learning Light

Barbara Davis Robinson, Diretora de Desenvolvimento Organizacional e Aprendizado na WellDyneRx, também prevê o desenvolvimento da aprendizagem baseada em jogos:

Os jogos são a maior indústria de entretenimento do mundo, e o treinamento continuará a expandir o uso das mesmas tecnologias para criar uma imersão mais profunda para os alunos. Algumas universidades e escolas já incorporaram o 3D e o 4D em seus métodos de aprendizagem.

Barbara Davis Robinson

Diretora de Desenvolvimento Organizacional e Aprendizado na WellDyneRX

Uma nova visão do microaprendizado

Microaprendizado é um método de entrega de curso que permite aos alunos digerir informações em pedaços pequenos. Em outras palavras, envolve uma estrutura de curso onde você aprimora uma habilidade específica com uma lição muito focada, porém curta, com duração de cerca de 3 a 6 minutos. Essas pequenas explosões de informações mantêm o aluno envolvido porque as lições são muito estreitas em escopo, alta aplicabilidade e, portanto, sustentam facilmente a atenção.

Karl Kapp, professor de tecnologia instrucional na Universidade de Bloomsburg em Bloomsburg, PA, propõe que a mania do microaprendizado se tornará mais “inteligente.”

As pessoas começarão a identificar diferentes tipos de microaprendizado e irão aplicá-los às diferentes necessidades da organização. Em nosso livro ‘Microlearning: Short and Sweet’, Robyn (refere-se a Robyn A. Defelice) e eu identificamos seis tipos diferentes de microaprendizado e percebi que as pessoas estão começando a incorporar esses termos em seus casos de negócios de aprendizagem.

Karl Kapp

Professor de tecnologia instrucional na Universidade de Bloomsburg

Você pode se referir a esses tipos de microaprendizado como os “6 Ps”:

  • Microaprendizado pensativo visa inspirar a reflexão e o pensamento crítico por meio de questões pontuais.
  • Microaprendizado baseado em performance fornece uma solução oportuna ou imediata que pode ser aplicada de maneira prática em um contexto relevante. Em outras palavras, ele fornece instruções que permitem que o aluno reflita sobre a experiência relevante.
  • Microaprendizado persuasivo visa alterar o comportamento e, portanto, é altamente orientado para objetivos.
  • Microaprendizado pós-instrução é aumentativo e reforçador por natureza. Ele tem como objetivo complementar um programa de treinamento maior, fornecendo uma espécie de “atualização” sobre um conceito muito específico (pedaços pequenos).
  • Microaprendizado prático é uma técnica que envolve aprimorar habilidades por meio de lembretes para a prática, feedback e um modo de monitorar o progresso.
  • Microaprendizado preparatório envolve pequenas lições para se preparar para um evento de aprendizagem maior. Isso pode incluir conteúdo atualizado, novo ou geral.

Para resumir

O mundo do design instrucional envolve a criação de experiências de aprendizado eficazes e envolventes. É um método científico de abordagem da aprendizagem presencial ou da criação de cursos online. Além disso, é gerado a partir de muitas teorias e estruturas conceituadas, como o modelo ADDIE, a taxonomia de Bloom ou os Nove Eventos de Instrução de Gagné.

Embora o design instrucional seja um campo estabelecido, ele está em constante estado de desenvolvimento e enfrenta muitos desafios, incluindo, mas não se limitando a, o designer assumindo muitas tarefas simultâneas, criando experiências centradas no aluno e acompanhando o ritmo das tecnologias em constante evolução. No entanto, o campo está se aprimorando constantemente. Em vez de simplesmente focar em como criar cursos de e-learning eficazes, muitos ajustes e inovações estão sendo feitos para ajudar o aprendizado a se tornar um processo mais envolvente e eficaz.

iSpring Suite
Crie cursos interativos rápido
Saber mais
 

Comece a criar cursos online de forma rápida e fácil